NEWSLETTER
Cadastre-se para receber as novidades deste portal diretamente no seu e-mail!
X

Crianças fazem mais de 300 perguntas por dia, diz pesquisa

Publicado em 12/04/2018 16:14
Categoria: Dicas
Crianças fazem mais de 300 perguntas por dia, diz pesquisa

"Por que o céu é azul?”, “Por que existem pessoas malvadas no planeta?”, “De onde eu vim?”... Você certamente já deve ter se deparado com algumas dessas perguntas um tanto quanto cabeludas, ainda mais se seu interlocutor for uma criança. Pois é, a fase dos por quês é, ao mesmo tempo, a graça e o pesadelo dos pais. Ela começa por volta dos 5 anos, quando a criança está começando a entender melhor o que está ao seu redor. “Ela percebe que o mundo é muito maior do que sua família, que seus pais não controlam tudo e fica querendo entender o que há por trás das coisas”, conta a psicóloga e psicoterapeuta Frinéa Souza Brandão, coordenadora do grupo Neurofocus Psicoterapias (RJ).

 

No “bombardeio” de perguntas, as mães são as que mais sofrem. Uma pesquisa publicada pelo site britânico Littlewoods descobriu que as crianças preferem tirar suas dúvidas com elas, o que fazem cerca de 300 vezes por dia. Se o número parece assustador, é porque ele realmente é. O estudo, feito com mil mães de crianças entre 2 e 10 anos, mostrou que, com essa quantidade de perguntas na conta das mulheres, elas são mais requisitadas que professores de escola primária, médicos e enfermeiras.

 

De acordo com a pesquisa, as cinco principais questões feitas pelas crianças britânicas são: por que a água é molhada? (35%), onde termina o céu? (34%), as sombras são feitas de que? (33%), por que o céu é azul (20%) e por que os peixes respiram embaixo da água? (18%).

 

Em vez de desanimar diante de tanta pergunta, os pais devem estimular a curiosidade do filho, afinal, ela é a prova de que o sistema cognitivo está se desenvolvendo plenamente. Além disso, ajudar na compreensão do mundo aguça a percepção das crianças e a vontade de aprender. Como sabemos que essa não é uma tarefa nada fácil, pedimos ajuda à psicoterapeuta Frinéa Souza para levantar os principais tópicos que aparecem nessa idade e dar dicas de como responder a cada um deles. Confira abaixo:

 

Sexo

A descoberta da sexualidade acontece também por volta dos 5 ou 6 anos de idade e vem recheada de curiosidades sobre o próprio corpo, sobre o corpo das outras crianças, da percepção das regiões mais sensíveis. É também nessa fase que os meninos se apaixonam na sala de aula, que começam a sentir algo diferente, mas não sabem dizer o que é.

 

Quando surgirem as dúvidas sobre sexualidade, a especialista explica que os pais precisam deixar o constrangimento de lado e tentar explicar a verdade para a criança. “Não precisa explicar tudo com detalhes, mas eles podem contar uma história na qual essa verdade apareça, usando recursos de um universo que ela reconheça, como príncipes e princesas. É bom o adulto explicar também que há tempo para as coisas, que tudo começa com um beijo, com um toque na mão. ”

 

Morte

Um cachorrinho que parte, o avô que começa a ficar doente ou mesmo uma notícia na TV colocam as crianças, pela primeira vez, em contato com a morte. Aí surgem perguntas como ele está morto por quê?; Como é que morre?; Vai para onde?; Existe Deus e Diabo?. E se até para os adultos é difícil lidar com a partida de alguém, imagine para uma criança. “A morte é uma coisa muito complexa para a cabeça das crianças. Por isso os pais precisam ser pacientes e, de acordo com as crenças de cada um, explicar várias vezes até elas entenderem”, aconselha Frinéa Souza.

 

Natureza

Animais e fenômenos da natureza. Toda criança tem uma fase na qual está muito ligada nesses dois assuntos. Por que chove?; por que cai neve?; de onde vêm os trovões? E por que galinha bota ovo? São algumas das perguntas que podem aparecer sobre o tema. A dica aqui é transformar as dúvidas do seu filho em diversão para você também. Que tal pesquisar junto com ele em livros e na internet? Olhar mapas, levar em exposições e museus ou ler livros são atividades que, além de divertidas, podem saciar a curiosidade dos pequenos e aproximar mais a família.

 

Fonte: Revista Crescer.

 

 

Escola Espaço da Criança - Todos os direitos reservados